Sermons

Summary: Enumera-se como conteúdo para a reflexão da comunidade quatro aspectos que caracterizam o Culto com Ceia do Senhor: essencial, comunitário, festivo e dadivoso.

  Study Tools
  Study Tools

Introdução

Cada ser vivo, cada atitude, cada sentimento, cada idéia, cada objeto e cada coisa na vida possui os seus aspectos relevantes. São estes aspectos relevantes que caracterizam e realçam as pessoas, atitudes, sentimentos, idéias, objetos e outras coisas mais. Destituí-las de tais aspectos relevantes é produzir um esvaziamento de significado e atrofiá-las quanto à própria existência. Ao analisar-se o Culto com Ceia do Senhor tem se detectado um esvaziamento quanto aos seus aspectos relevantes. Diante deste esvaziamento, ocorre um atrofiamento do Culto com Ceia do Senhor e o mesmo apresenta-se como sendo irrelevante, individual, triste e sacrificial[1]. Neste artigo não se procura as causas, mas a correção deste esvaziamento e atrofiamento. Enumera-se como conteúdo para a reflexão da comunidade quatro aspectos que caracterizam o Culto com Ceia do Senhor[2]: essencial, comunitário, festivo e dadivoso.

I - Essencial

Toda a história do Culto Cristão tem origem, meio e fim nas palavras instituitivas do Senhor Jesus: "Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim"[3]. Com estas palavras, o Senhor Jesus determina que os Seus seguidores continuem a celebrar a Ceia[4]. Conforme Kirst, para os primeiros cristãos celebrar a Ceia era o mesmo que celebrar culto e não era algo que a igreja pudesse fazer ou deixar de fazer. Era uma questão de obediência; obedecer à ordem de Jesus. Brand afirma sob a ótica da história e da teologia que o encontro dos cristãos, em obediência, para o culto é fundamentalmente um encontro eucarístico. É um encontro de obediência, pois a ordem dada foi: "...Fazei isto em memória de mim"[5].

O realizar do Culto com Ceia do Senhor em memória do Senhor Jesus é chamado de anámnesis. Por anámnesis entende-se que a igreja ao realizar o Culto com Ceia do Senhor recorda o ato salvífico realizado pelo Senhor Jesus no passado e vivencia em seu presente a realidade deste ato. Portanto, a existência do Culto Cristão é a partir da realização da Ceia do Senhor; sem a Ceia do Senhor haverá um esvaziamento do culto.

II - Comunitário

A instituição do Culto com Santa Ceia pelo Senhor Jesus não foi realizada para indivíduos[6], mas para a igreja. A Ceia do Senhor não tem caráter individualista, ela é comunitária. É para a comunidade. Isto implica afirmar que ela inclui muito mais do que pessoas somente; inclusa nela encontra-se uma ação comunitária[7]. É o Corpo de Cristo que em unidade celebra em memória e obediência a Cristo. Diz Martini que a Eucaristia é celebrada no círculo comunitário e que este espaço é o lugar legítimo para a realização da mesma. E que no Novo Testamento, Ceia do Senhor e comunidade são inseparáveis[8]. Opinião semelhante, emite Von Allmen quando afirma: "Não há celebração da Eucaristia sem que tenha havido convite à comunhão e sem que haja de fato comunhão do povo. Essa era a única maneira em que a Igreja primitiva entendia a Eucaristia"[9]. A Eucaristia só tem sentido quando celebrada em comunidade, pois é nesta atitude que ela se revela como guardiã de seu caráter comunitário.

Martini analisa que na concepção paulina, a Ceia do Senhor tem a ver fundamentalmente com a unidade. Que para ser Ceia do Senhor, ela deve expressar a unidade do corpo. A unidade do corpo só será visível no culto se a Eucaristia for celebrada sob a ação do caráter comunitário. Não há como expressar a unidade sem espírito comunitário. O espírito comunitário oxigena a unidade do corpo. E é pela unidade que a igreja se dá a conhecer-se no mundo como Corpo de Cristo enviado a ele[10]. Na Eucaristia celebrada em comunidade sob ação e espírito comunitário, o cristão relembra que teve acesso à igreja através do mesmo batismo ao qual os seus irmãos se submeteram e que todos os cristãos formam um único corpo. Daí, conclui-se que a Ceia do Senhor revela em seu caráter comunitário, a unidade do corpo.

Anúncios Google

III - Festivo

Em muitas ocasiões em que a Eucaristia é celebrada adquire ares de morte e de tristeza. Seria este o propósito do Senhor Jesus ao instituir tal celebração em Sua Memória? Seria desejo d'Ele que a comunidade vivenciasse a tristeza por Sua morte durante a celebração? A tristeza é o sentimento adequado à celebração da Eucaristia? Sem as inquirições adequadas que permitam a busca de uma atitude coerente, a igreja atravessa os anos fazendo de uma celebração... um funeral, de um sentimento de libertação...um pesar e de uma alegria...uma tristeza.

A Eucaristia é celebração de ação de graças, porque a vida triunfou sobre a morte. As novas da ressurreição do Cristo são mais significativas do que as notícias anteriores sobre a Sua morte. É verdade que Ele morreu em lugar dos pecadores, mas a última notícia é que Ele venceu a morte e agora outorga o poder da ressurreição a todo aquele que n'Ele crê. É a tristeza que na presença divina salta de alegria![11] Agora, na celebração eucarística não há mais espaço para o cultivo da tristeza, porque a comunidade tem uma notícia mais atual: É tempo de festa, pois o Cristo ressuscitou! Ele está vivo!

Download Sermon With PRO View On One Page With PRO
Browse All Media

Related Media


Church Attendance
SermonCentral
PowerPoint Template
Idea For Church
SermonCentral
PowerPoint Template
What Is The Church
SermonCentral
PowerPoint Template
Talk about it...

Nobody has commented yet. Be the first!

Join the discussion